Imagens que se transformam em palavras, borboletas da alma, mimos de açúcar que repousam no pote ao lado da chaleira pronta para o café, em fumaças redondas que sobem sorrateiras, espiraladas e esvoaçantes, amores tristes em desfacenças no ar, lúgubres lugares e recônditos da alma, que abre as janelas para um mundo estranho e novo, estranho e belo, estranho e longe, longínquo e distante ao som do voo das asas de borboletas e moscas, sobre salivas de lambaris belicosos, belos sabores coloridos escarafunchando pela água cintilante de borbulhante riacho a desassobraçar pelas calhas de bambu até a casa da fazenda em límpidas bacias, tonéis para a água da chaleira também borbulhante e leve, lépida, fervente e fervilhante, brincando de esconde e aparece nas espiraladas nuvens que depois se condensam na tampa de ferro, fria e pesada, que cai no chão nas tábuas também pesadas da casa…

… fazendo acordar ratos pela casa, atos do submundo enroscado por baixo das tábuas enceradas, brilhantes, imaculadas, em cálidas reluzentes luzes de um sol matinal cadente, candente, a aquecer a negra madeira, sob a qual reinam esgueirando-se os pequenos ratos rosa, cegos e espalhados, esvoaçantes penugens que alcançam-nos do mundo escuro, poeirento e úmido, em facas garfas, traças, trucos, musgos, mudos. Enfins, confins de palavras febris, em atalhos e talhos e talhas na madeira que sustenta a máquina que trabalha na lavada labuta incessante luta sob os chinelos cansados de uma avó que cerze e as mãos velozes amealham e amassam o pano e a chita, o pão e a cinta, que incita velhas lombrigas na briga e no seu suor suado, tranquilo rebanho em palha e se espalha na janela na montanha em cima e embaixo e encaixa e atacha a moldura da negra janela que emoldura o morro verde retundo e contudo, pontilhado de cabras na serra a pastar até as folhas finas da nandina, plantadas acima e abaixo do pomar e do jardim, portão entrelaçado, primavera entrecortada, vermelha e rosa e num tom quase laranja, quase amanteigado, pimenta rosada em tom de graça, de quem faz graça e se engraça, a revoar e rebordar, cozendo e correndo de volta à casa, em que coze no fogo a lenta pamonha, pândegas e pães para o café da tarde, da manhã que se esvai lenta, muito lenta, m u i t o  l e n t a… E se entranha nas estranhas entranhas do corpo febril que alucina o sol e a vida no meio da noite, à meia noite da vida.

Últimos posts por Iana Ferreira (exibir todos)
× Como posso te ajudar?