Uvaias doces – Daniela Naschold (LAB10)

Uvaias doces – Daniela Naschold (LAB10)

Lembro-me bem de ouvir minha avó ao telefone: “As uvaias este ano estão doces como mel!”. Eu adoro uvaia mas nunca provei uma doce. Elas sempre são azedas e aquela frase me arrancou do sofá. Eu queria muito experimentar uma frutinha daquela safra. “Mãe, vamos pro sítio da Oma no fim de semana? Ela disse que as uvaias estão doces como mel!” Minha mãe deu um sorrisinho um tanto malicioso como quem pensa: “Não acredito, essa minha sogra só inventa”, mas fomos ao sítio mesmo assim.

 

No caminho para o pomar eu ficava imaginando o pé de uvaia carregado de frutinhas pequenas e alaranjadas com sua textura levemente aveludada, aquelas folhas fininhas balançando ao vento. Minha avó ia contando que esse ano o pé deu como nunca. Que ia fazer geleias e sucos. Que ia plantar mais árvores daquelas! Enquanto ela falava, eu imaginava tudo aquilo com água na boca, até que chegamos ao pé da árvore.

 

Peguei minha primeira frutinha, acariciei nas mãos, pois é praticamente impossível comer uma uvaia sem antes sentir a deliciosa textura e nhac. Azeda. Azeda como sempre foram. “Oma! Elas estão azedas!”, falei indignada. “Claro, uvaias são azedas, deliciosamente azedas!” “Eu sei, mas você falou que estavam doces como mel!”, retruquei. E ela, sorrindo olhou pra mim: “Falei? Não lembro”.

 

****

 

Daniela Naschold, 44, é publicitária, casada, tem uma filhinha de  seis anos, a Giulia. Sua cachorrinha Brisa costuma observá-la no escritório enquanto escreve diariamente em seu caderno de lembranças (sua escrita regular). Lê diariamente livros infantis e juvenis e quis participar do LAB10 porque tem o desejo de voltar a escrever. Também gosta de pintar e principalmente de fazer cerâmica, atividade que retomou recentemente com muito entusiasmo. Aguarda o próximo LAB10 – ou LAB20, como ela mesma propõe – com alegria também.

 

De agosto a outubro deste ano, a Entretexto promoveu a segunda edição consecutiva do Lab10, uma oficina de escrita inteiramente online. Com dez participantes e duração de dez semanas, as atividades visavam especialmente o desbloqueio da escrita, criar espaço para um exercício de escrever com regularidade e também de troca com pessoas que tinham interesses afins. Nas próximas semanas, iremos compartilhar alguns dos frutos desse trabalho aqui (nada melhor do que a sincronicidade de começar com “Uvaias doces”). Muitas outras coisas estão brotando a partir disso, o que nos dá imensa alegria. Aguardem notícias.

 

Agradecemos a confiança e a participação entusiasmada das dez mulheres escritoras

que compuseram o LAB 10 de 2018! 

 

Sem Comentários

Compartilhe conosco suas ideias...