A moça do tempo – Silmara Franco

A moça do tempo – Silmara Franco

“Não tenho tempo”. Mente quem diz.

 

Há tempo de sobra, tempo pra chuchu. Tempo é o que não falta neste mundo de meu Deus. Basta olhar a certidão de nascimento e conferir quanto tempo já lhe foi concedido. E, em teoria, quanto ainda será. E, na prática, quanto está sendo nesse exato instante.

 

É tentador, fácil, gostoso até, reclamar da falta de tempo. É seguro, também – ninguém contesta. Vale para qualquer setor da vida ou ação cotidiana. É hábito institucionalizado e sacramentado, assim como conversar sobre o frio e o calor, suas variantes meteorológicas. É lamento pronto, desculpa engomada, queixume-curinga.

 

A falta de tempo para a ginástica, para trabalhar, para ler, para ir ao cinema, para ir ao teatro, para ir ao show, para deitar na rede, para ensinar o filho a andar na bicicleta sem as rodinhas, para assistir novela, para fazer um bolo de fubá, para cuidar das plantas, para arrumar as gavetas, para passar filtro solar, para tomar café da manhã direito, para estudar, para responder e-mails, para organizar as fotografias do celular… são as faltanças em geral, representadas numa só. O tempo que se passa, ao longo da existência, lamuriando a falta dele, bem que daria para fazer um bocado de coisas. À frase “Não tenho tempo para isso” cabe, geralmente, legenda: “Não quero fazer isso”. O resto é imbróglio do inconsciente de cada um.

 

O tempo escapa porque se enfia coisas demais nele. É como querer usar uma roupa apertada, sem que caiba tanto corpo ali. No dia-padrão, feito de suas medidas próprias, também não cabe tanta agenda. (Ou então, é a gente que usa errado, de trás pra frente, do avesso.)

 

Comprar flores, no trajeto para o escritório, não toma quinze minutos. Quinze, num dia de mil, quatrocentos e quarenta minutos. É um por cento. Vá lá que é preciso descontar os minutos dedicados ao sono. A conta do desconto passa a ser o quanto você gosta (ou não) das flores, e o quanto elas lhe são (ou não) essenciais.

 

Tomar um café, naquele lugarzinho charmoso entre o supermercado e a escola das crianças, leva dez minutos. Menos de um por cento. (E café tira o sono.)

 

Até a Terra arruma tempo para dar suas voltinhas, em torno de si e do astro-rei. Faça chuva ou faça, veja só, sol.

 

A moça do tempo, aquela da TV, a falar de nuvens e precipitações, não sabe como gastou seus minutos de ontem. Nem de hoje. Foi dormir com déficit de hora e acordou com superávit de tarefa. Como irá gastá-los amanhã, ninguém sabe. E, se pensar que, na verdade, não existe isso de minuto, hora, nem ano, a previsão fica mais complicada (ou divertida) ainda.

 

Eu não sou a moça do tempo, sou meu próprio planeta. Faço minha rotação endoidecida de movimentos planejados e aleatórios, nem sempre giratórios, e dou conta da translação no prazo combinado. Tenho tempo para fazer tudo que quero, devo e preciso. Se faço ou não, são outros mil, quatrocentos e quarenta.

 

Imagem: Jonas Seaman

 

Silmara Franco

Silmara Franco

Silmara é paulistana. Nasceu em 1967 no bairro da Mooca, onde viveu por mais de três décadas. É publicitária por formação e escritora por salvação. Resistiu bravamente a transferir seu título de eleitor, que era para voltar de vez em quando ao colégio onde aprendeu a ler e escrever. Mora em Campinas (SP) com a família e a gataiada.
Silmara Franco
Sem Comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: