Conversa de compra de passarinho (trecho) – Rubem Braga

Conversa de compra de passarinho (trecho) – Rubem Braga

Acendo um cigarro. Peço mais uma cachacinha. Deixo que ele atenda um freguês que compra bananas. Fico mexendo com o pedaço de chumbo. Afinal digo com a voz fria, seca: “Dou 200 pelo coleiro, 50 pela gaiola”.

 

O velho faz um ar de absoluto desprezo. Peço meu troco, ele me dá. Quando vê que vou saindo mesmo, tem um gesto de desprendimento: “Por 300 cruzeiros o Sr. leva tudo”.
Ponho minhas coisas no bolso. Pergunto onde é que fica a casa de Simeão pescador, um zarolho. Converso um pouco com o pescador de bigodes brancos, me despeço.

 

— O senhor não leva o coleiro?

 

Seria inútil explicar-lhe que um coleiro do brejo não tem preço. Que o coleiro do brejo é, ou devia ser, um pequeno animal sagrado e livre, como aquele menino da lenha, como aquele burrinho magro e triste do menino. Que daqui a alguns anos quando ele, o velho, estiver rachando lenha no Inferno, o burrinho, o menino e o coleiro vão entrar no Céu — trotando, assobiando e cantando de pura alegria.

 

Rubem Braga, em “Para gostar de ler”, volume I, Ed. Ática.

Imagem: ilustração antiga, anônima.

Entretexto

Entretexto

Oficinas de escrita e de histórias | Iana Ferreira
Entretexto
Sem Comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: